Pular para o conteúdo principal

Governador Eduardo Leite esteve em Caxias para defender Reforma Tributária

50301923758 d720d9895c k
O governador Eduardo Leite esteve em Caxias do Sul na tarde desta quinta-feira (3) acompanhado do vice-governador Ranolfo Vieira Júnior, dos secretários da Fazenda, Marco Aurélio Cardoso, do secretário de Articulação e Apoio aos Municípios, Agostinho Meirelles, e do procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, para falar sobre Reforma Tributária na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC). A reunião faz parte de uma agenda de diálogos sobre o projeto de Reforma Tributária no interior do estado. A proposta tramita na Assembleia Legislativa. Prefeitos, deputados e lideranças empresarias da Região - em torno de 30 pessoas - puderam acompanhar a reunião também por videoconferência.

O governador enfrente forte resistência da sociedade, representada por várias entidades empresariais, que inclusive lançaram notas oficiais criticando a proposta original do governo.

No entanto, o próprio governador já declarou que é possível que o texto original seja modificado. Isso será tarefa para a Assembleia Legislativa.

Leite também foi enfático ao afirmar, na reunião em Caxias, que a Reforma Tributária RS não aumentará impostos para os contribuintes. Nas apresentações, mostrou que o Estado não arrecadará mais – pelo contrário: se aprovadas as propostas, deixará de arrecadar R$ 1 bilhão em ICMS. Parte dessa perda será compensada com aumento de impostos ao patrimônio, como o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e o ITCD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação).

O prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, participou do encontro. Na capital brasileira do vinho e dos móveis, entidades e lideranças dos setores já se manifestaram no sentido de que a reforma precisa sair, mas é necessário ajustes e mais dialogo com a sociedade.

O presidente da Movergs- Associação das Indústrias de Móveis do RS, que tem sede em Bento, Rogério Frâncio, disse que a entidade apóia o manifesto da FEDERASUL. Entende que as mudanças propostas pelo governo aumentam a carga tributária. A principal discordância diz respeito às faixas de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A proposta do Piratini é reduzir as atuais cinco faixas de cobrança, que variam de 12% a 30%, para duas, de 17% e 25%. Segundo o governo, a intenção é simplificar a cobrança e a transição seria gradual, com conclusão em 2023. Pagando atualmente a mais baixa das cinco faixas de tributação, as indústrias moveleiras apontam para um aumento. O setor defende que o governo mantenha a alíquota de 12% porque sofreu nos últimos cinco anos uma das piores crises da história, ainda mais com a pandemia.

“Não somos contra a reforma tributária, mas teria que ser tratada de maneira que ouvissem todas as partes da sociedade interessada. Não podemos aceitar uma proposta unilateral”. disse Rogério em entrevista a Rádio Gaúcha Serra.

O setor moveleiro quer que o governo mantenha o desconto na base de cálculo do ICMS, para que a cadeia produtiva moveleira fique na faixa de 12%.

Já o presidente do SIMMME- Sindicato das Indústrias Mecânicas, Metalúrgicas e de Material Elétrico, Juarez Piva disse que o setor é favorável a reforma, porém entende que o governo precisa fazer o dever de casa que é no mínimo manter as despesas no limite do teto de gastos. Entende que se houver perda de arrecadação a compensação deve vir pelo corte de gastos do governo e não por aumento de impostos. Considera positivo a proposta de tributação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para veículos com mais de 20 anos. Também vê como positivo o Devolve ICMS- Programa de devolução de ICMS . Forma de compensação para quem tem uma renda menor. Também apóia as demais entidades quando entende que é preciso mais debate com os setores.

O setor vitivinícola teme fortes prejuízos. É que a proposta do governo é padronizar as alíquotas, fazendo com que ocorra elevação de produtos como vinho, aguardente e gás (GLP). Vinho e aguardente, que são tributados a 18%, passariam a ter alíquota de 25%, igualando-se à alíquota já aplicada às outras bebidas (exceto águas minerais, refrescos, sucos e bebidas de frutas).

Mas atenção, o setor já é beneficiado com a eliminação Substituição Tributária (ST) na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) , o que ameniza os impactos.

Além disso, Ricardo Neves Pereira, sub-secretário da Receita Estadual, disse ao jornal Pioneiro, que o setor será beneficiado de outra forma. É que alguns produtos serão condicionados ao pagamento de 10% dos créditos presumidos devolvidos ao estado no Fundo Devolve ICMS.

Como sempre, propostas de reforma tributária esbarram, quase sempre, na dificuldade de construir consensos, ainda mais considerando a atual estrutura tributária brasileira que é reconhecida como complexa, injusta e desestimulante ao desenvolvimento econômico e social. No entanto já é mais do que hora de se promover mudanças.

Clique aqui para ver a apresentação do governador em Caxias

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.