Pular para o conteúdo principal

Setor vinícola precisa de uma fábrica de garrafas no sul




O terreno existe, o projeto também e os investidores tem interesse. Bento poderá ter uma fábrica de garrafas. A União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra) está articulando os encontros e mobilizando as autoridades.

De acordo com o presidente do Uvibra, Deunir Argenta, a necessidade de expandir a produção de garrafas no Rio Grande do Sul já existia, mas se fortaleceu com o crescimento expressivo do consumo de vinho, consequência da pandemia. "De maio para cá tivemos vendas fora da normalidade, e com isso as empresas que são fornecedoras de garrafas estão tendo dificuldade em suprir as necessidades do setor. Vinícolas vão deixar de entregar pedidos por não ter vasilhame. Se no próximo ano tivermos uma venda semelhante, até uns 30% menor, mesmo assim vai faltar vasilhame", observa Argenta. Ele pontua que já havia falta de garrafas quando o setor não estava tão forte quanto está no ano, e que os vários fatores que levaram à alta do consumo em 2020 - como uma grande safra e maior número de pessoas ficando em casa por conta das medidas de isolamento social - deixaram mais evidentes a dificuldade do setor de ter acesso a garrafas novas. Para isso, ele explica que a entidade está em busca de novos investidores para instalar uma unidade de produção de garrafas na Serra gaúcha.

Desde o começo do mês, a entidade vem realizando reuniões com empresários mostrando o cenário do mercado e a capacidade das indústrias do Estado de absorver maior produção de garrafas. A Uvibra também obteve o apoio do Governo do Estado, através do Secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, para ajudar a viabilizar parceiros para o empreendimento.

De acordo com o presidente da Uvibra, já há empresários interessados e cientes dos desafios de uma fábrica do tipo. Segundo Argenta, a instalação de uma fábrica de garrafas é complexa por conta das exigências de infraestrutura, como fornos grandes e máquinas que exigem muita manutenção. Os fornos são movidos a gás , o que exige um duto próximo de abastecimento. O tempo para que uma fábrica comece a produzir garrafas, segundo ele, é de dois anos.

Por conta dessas exigências, a ideia é que o investimento seja feito na Serra por dois motivos: um deles é pela parte energética, pela região ter acesso a dutos de gás, e outro é pela parte logística, por ser o maior polo vitivinícola nacional. O Rio Grande do Sul, em sua totalidade, representa 90% da produção nacional de derivados de uva. Argenta conta que, devido à escassez de garrafas no mercado nacional, que tendem a ser absorvidas primeiro pela produção cervejeira, o setor vitivinícola acabou importando parte de países como Argentina e Chile, o que aumenta o custo final do produto por conta da alta do dólar e do frete elevado.

Com informações de Jornal do Comércio

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in