Lula mexe as peças e avança: Os recibos do aluguel apareceram e a Odebrecht também dá recibos de doação de R$ 4 milhões

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou nesta segunda-feira (25), uma série de recibos que comprovariam os pagamentos de aluguéis do apartamento vizinho ao que o petista mora, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Os documentos datam de agosto de 2011 a dezembro de 2015. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o imóvel faz parte de um suposto pagamento de propina da Odebrecht ao político. A denúncia afirma que Glaucos da Costamarques, parente do pecuarista José Carlos Bumlai, comprou o imóvel com dinheiro da Odebrecht. O objetivo seria entregar o apartamento a Lula, que alugava o imóvel desde que assumiu a Presidência da República, para abrigar os seguranças que fazem a escolta pessoal dele. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, Glaucos da Costamarques disse que não recebeu, mas declarou a receita federal os valores.

Já o empresário Marcelo Odebrecht entregou, ontem também, à Polícia Federal documentos para comprovar que uma doação oficial de R$ 4 milhões ao Instituto Lula saiu do Setor de Operações Estruturadas, nome do departamento de propinas da empreiteira. E-mails enviados por Odebrecht a executivos do setor informam que os repasses seriam feitos por via legal, mas que seriam debitados dos R$ 15 milhões do “Amigo”, suposto codinome do ex-presidente Lula, da planilha do “Italiano”, que era a “conta corrente” gerenciada pelo ex-ministro Antonio Palocci. “Italiano disse que o Japonês (Paulo Okamotto, presidente do instituto) vai lhe procurar para um apoio formal ao inst de 4m”, diz ele em um dos e-mails. O empreiteiro entregou quatro recibos de R$ 1 milhão cada, referentes à doação. A defesa de Lula diz que as doações foram legais. 

Com isso Lula joga para a Sérgio Moro a dúvida sobre a veracidade das acusações.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal