Moreira Franco: “Delação é encomenda paga” por Janot a Joesley

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou neste domingo (15), por meio de sua conta no Twitter, que a delação de Lúcio Funaro, apontado como operador do PMDB, foi uma "encomenda remunerada" do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot ao empresário Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F.

Nesta terça-feira, (15) a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara começa a discutir a segunda denúncia de Janot contra o presidente Michel Temer, por obstrução de Justiça e organização criminosa.

A primeira denúncia, por corrupção passiva, foi derrubada pelo plenário da Câmara e por isso não seguiu para apreciação do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar Michel Temer, após a derrota na 1ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha", disse o ministro, acrescentando que, "como faltava-lhe bambu" [ao ex-procurador Rodrigo Janot], ocorreria a "encomenda remunerada da delação de Funaro", afirmou Moreira Franco.



E concluiu: "Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava".

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal