Atenção: Os números que estão sendo entregues ao Planalto não correspondem ao placar real de votos a favor da reforma da Previdência

O presidente Michel Temer mudou a estratégia para angariar votos pela reforma da Previdência: pediu a Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder do governo na Câmara, e André Moura (PSC-SE), líder do governo no Congresso, que levantem um mapa com o nome de deputado a deputado – e não mais apenas o número de votos – que dizem apoiar ou não as mudanças nas regras de aposentadoria.

A sugestão foi dada a Temer na semana passada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Hoje, o presidente da República ficou de chamar os líderes do governo para fazer uma reavaliação de apoio para a reforma.

Segundo líderes do governo, os números que estão sendo entregues ao Planalto não correspondem ao placar real de votos a favor da reforma da Previdência. Por isso, para evitar a “contabilidade criativa”, Temer quer fazer um pente-fino no perfil de cada parlamentar e chamá-los para conversar.

Nos bastidores, governistas admitem que a votação pode ficar para o início de fevereiro. O assunto foi tratado entre aliados de Temer no final de semana.

Quem defende esta estratégia afirma que o governo teria janeiro inteiro para organizar os pedidos de parlamentares por emendas, com a vantagem, na avaliação desses ministros, de que o Planalto já terá noção de quanto do Orçamento foi aprovado para as demandas.

O Orçamento de 2018 precisa ser aprovado até o dia 22 de dezembro, último dia antes do recesso parlamentar. No entanto, já houve anos em que o Congresso entrou de férias mesmo sem votar a lei orçamentária. (Andréia Sadi)

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal