Afinal quem são os eleitores?

Imagem relacionada

O ano começou e com ele a expectativa sobre as eleições municipais. Afinal quem são os candidatos? É pergunta recorrente nos debates dos mais variados grupos sociais. Quem tem chance?

Poucos! Um ou dois talvez. O restante participará do debate, mas não tem conteúdo, estrutura partidária, militância, dinheiro, credibilidade e sim, muita rejeição.

Por outro lado, a movimentação social mostra que é preciso também, mais do que saber quem são os candidatos, saber quem são os eleitores, como pensam e como decidem, porque a partir deles, é que se pode definir que vai mesmo concorrer com chances para se eleger.

Elis Radmann cientista social e política define alguns tipos de eleitores:

O esperançoso = É o eleitor predominante. Procura um candidato em quem possa acreditar, mesmo que se frustre depois. Acredita nas pessoas e não nos partidos. Tende a mudar de candidato a cada ciclo.

O de última hora = Deixa para escolher na última hora e, em muitos casos, pede ajuda a amigos e familiares. Este tipo de eleitor também é motivado pelos santinhos, em especial, as colas eleitorais. Este eleitor sempre foi simpático ao material jogado no entorno dos locais de votação no dia da eleição.

O que vota em benefício próprio = Vota no candidato que possa lhe resolver um problema ou trazer um benefício. É o típico eleitor clientelista que teve o seu princípio fortalecido pela ampliação das denúncias de corrupção. Este eleitor acredita que todos se beneficiam com a política.

O prático = Avalia a conjuntura do momento e vota em um candidato que tenha viabilidade, condições de executar o que propõe com menor margem de risco. Este eleitor também é conhecido como pragmático ou racional. Avalia o custo X benefício de sua decisão e tende a manter o governante que está desenvolvendo um trabalho satisfatório.

O ideológico = Tem uma visão de mundo e acredita em ideais e princípios. Vota por critérios políticos: seja pelo partido, por interesse de uma categoria ou de classe, por proposição do candidato ou pelo direito de uma minoria (causa específica).

O descrente = Compreende uma parcela significativa do eleitorado. Se decepcionou com a política ou nunca gostou. Não acredita na política e nos políticos e mantém a opção de não votar (não comparecer ou votar em branco e/ou anular o seu voto).


Fato é que as eleições municipais são as mais importantes, porque é nos municípios que tudo acontece. É nos municípios que as pessoas moram. Por isso é importante conhecer o eleitor, saber seu comportamento, como pensa, como age, se está ou não conectado com a política, que tipo de representante quer eleger, que tipo de prefeito ou vereador quer eleger. 

De nada adianta partidos apontarem nomes por interesse próprio sem saber o que a população quer e espera. Candidatos tradicionais ? Outsiders ? populistas ? jovens? inovadores ? enfim.. quem? Afinal quem são os candidatos? Bem isso será tema de outro post.




Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal