Na Itália, mais de 100 padres já morreram para dar conforto aos doentes e os menos favorecidos

Coronavírus, os mais de 100 padres que morreram para dar conforto aos doentes e os menos

Até este sábado (11), 105 padres morreram vítimas da Covid-19. Somente na diocese de Bérgamo, a mais afetada da Itália, foram 25 padres "seculares" mortos pela pandemia e mais 14 religiosos e 84 freiras. O centésimo padre, calculou o jornal dos bispos Avvenire , morreu em Pesaro, seu nome era Don Marcello Balducci e ele tinha 61 anos. Ele também, apesar de ter problemas de saúde há algum tempo, permaneceu "de plantão" até o fim, entre os fiéis, para confortar os paroquianos. Muitos padres que acabaram sendo infectados decidiram ficar perto de seu povo como haviam feito por toda a vida. Don Fausto Resmini, que morreu aos 67 anos em terapia intensiva em Como, criou uma comunidade para menores, foi capelão da prisão, adquiriu alimentos, remédios e cobertores para os moradores de rua da estação de Bergamo. Ele passou a noite em um trailer e ajudou pobres, idosos e migrantes.

Muitos padres também morreram no Centro e no Sul da Itália. Um dos mais novos, Alessandro Brignone , de 45 anos , era pároco em Caggiano (diocese de Acerra). Ou Silvio Buttitta, 83 anos, de Palermo, um padre da aldeia. E novamente: Gioacchino Basile , 60 anos, era de Reggio Calabria, mas morreu no bairro de Brooklyn em Nova York, onde era pároco. Entre as vítimas de Covid também Remo Rota , 77 anos, de Lecco. Por 38 anos no Congo, ele simplesmente disse sobre si mesmo: "Fiz tudo, espero que tenha feito bem o padre, com meus defeitos".

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal