Doença está descontrolada em 16 estados do país, revela estudo

Coronavírus: Minas tem 14 mortes e 51 mil casos suspeitos de Covid ...
Imperial College divulgou um estudo sobre o número de casos do novo coronavírus no Brasil nesta sexta-feira 8 com dados alarmantes e recomendou que o país, o epicentro da epidemia na América Latina, deve ter ações mais duras para evitar a propagação da doença e evitar a sobrecarga no sistema de saúde.
A estimativa é que 10% da população do estado do Amazonas e mais de 3% das pessoas nos estados do Pará, do Ceará, do Rio de Janeiro e de São Paulo já contraíram o vírus. Nos 16 estados contemplados pelo estudo a taxa de reprodução está acima de 1, o que significa que a epidemia ainda não está controlada e continuará subindo.
Outro dado que assusta é que a taxa de mortalidade por causa da Covid-19 em cada estado varia entre 0,7% e 1,2%. O resultado representaria mais de um milhão de mortes no país caso toda a população fosse infectada – considerando o cenário mais otimista.
A tendência está na contramão do que acontece na Europa e na Ásia, onde o isolamento social forçado deu bons resultados e o número de reprodução. Os pesquisadores alertam: “embora a epidemia brasileira ainda seja relativamente incipiente em escala nacional, nossos resultados sugerem a necessidade de ações adicionais, como limitar a propagação para evitar o colapso do sistema de saúde”.
O estudo afirma que por causa das intervenções não farmacêuticas, como o fechamento de escolas e a diminuição da mobilidade da população, o número de reprodução do vírus caiu substancialmente em cada estado. Porém, ainda não foi suficiente para impedir o aumento da curva e proporcionar o início da volta da vida normal no Brasil.
Confira a estimativa feita pelo Imperial College em cada um dos 16 estados
Amazonas: 10,6% da população infectada (previsão de 0,8% de taxa de mortalidade)
Pará: 5% da população infectada (previsão de 0,9 de taxa de mortalidade)
Ceará: 4,4% da população infectada (previsão de 1,1% de taxa de mortalidade)
Rio de Janeiro: 3,3% da população infectada (previsão de 0,8% de taxa de mortalidade)
São Paulo: 3,3% da população infectada (previsão de 0,7% de taxa de mortalidade)
Pernambuco: 3% da população infectada (previsão de 1,1% de taxa de mortalidade)
Espírito Santo: 2,2% da população infectada (previsão de 0,9% de taxa de mortalidade)
Maranhão: 2% da população infectada (previsão de 1% de taxa de mortalidade)
Alagoas: 1,2% da população infectada (previsão de 1,1% de taxa de mortalidade)
Paraíba: 0,6% da população infectada (previsão de 1,2% de taxa de mortalidade)
Rio Grande do Norte: 0,5% da população infectada (previsão de 1,1% de taxa de mortalidade)
Bahia: 0,4% da população infectada (previsão de 1,1% de taxa de mortalidade)
Rio Grande do Sul: 0,4% da população infectada (previsão de 0,9% de taxa de mortalidade)
Paraná: 0,2% da população infectada (previsão de 0,9% de taxa de mortalidade)
Santa Catarina: 0,2% da população infectada (previsão de 0,8% de taxa de mortalidade)
Minas Gerais: 0,1% da população infectada (previsão de 1% de taxa de mortalidade)
Com conteúdo da Veja.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal