Guedes entrega proposta de reforma tributária ao Congresso

Ponto a ponto: as medidas propostas pelo governo para ajustar as ...
O ministro Paulo Guedes (Economia) entregou nesta terça-feira (21) aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a primeira parte de sua proposta de reforma tributária. A proposta não reduz a carga tributária, mas simplifica o modelo de cobrança e visa a diminuir as disputas judiciais.

O projeto de lei propõe a unificação do PIS e da Cofins. O novo tributo se chama CBS (Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços). A alíquota proposta pelo Ministério da Economia é de 12%. Para bancos, planos de saúde e seguradas, o percentual fica em 5,8%.

Guedes disse que é a favor da inclusão de ICMS (estadual) e ISS (municipal) na reforma, mas isso não foi feito na proposta do governo. “Eu não posso invadir o território dos prefeitos, o ISS, ou o dos Estados, o ICMS”, declarou.

Essa primeira fase da proposta mantém a desoneração da cesta básica, ponto que era incerto até então.

Guedes não apresentou a proposta de taxar transações online. A ideia sofre resistência na Câmara.

Também não propôs uma tributação de dividendos para desonerar a folha de pagamento, nem mudanças no Imposto de Renda. O governo quer apresentar essas mudanças em outras etapas.

No momento, o governo quer começar pelo que é quase consensual: a criação do IVA (imposto sobre valor agregado). “É a política que dita o ritmo das reformas”, disse o ministro da Economia.

A proposta do governo se une a outras duas propostas de emenda à Constituição (PEC 45, da Câmara dos Deputados, e PEC 110, do Senado) que tratam do tema. Os textos propõem substituir tributos federais, estaduais e municipais por um único imposto sobre bens e serviços (IBS). Ou seja, apresentam características semelhantes.

Os documentos estão sendo discutidos em uma comissão mista, formada por deputados e senadores. A comissão teve seus trabalhos paralisados por causa da pandemia de covid-19.

Agora, a ideia é retomar os trabalhos e criar consenso em torno dos textos. Rodrigo Maia já disse que é possível aprovar um projeto em uma das Casas Legislativas neste ano.

Por não esbarrar na Constituição Federal, o projeto de lei do governo pode ser aprovado por maioria simples, na Câmara e no Senado. Caso entre em vigor, as mudanças propostas valeriam seis meses após a sanção.

Já as propostas de emenda à Constituição precisam passar por 2 turnos de votação na Câmara e Senado, com aprovação de ao menos 3/5 dos congressistas.

Fonte: Poder 360
clique na imagem para saber mais

DefesaNet - Presidência da República - Plano Mais Brasil






Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal