Quem tem mais força? O voto do servidor público ou voto do povo?

Najara Araújo/Câmara dos Deputados
A Câmara, por 316 votos a 165, decidiu na noite desta quinta-feira, 20 manter o veto de Jair Bolsonaro que proíbe o reajuste salarial de servidores até o fim de 2021.

A votação foi viabilizada após um acordo entre o Planalto e os partidos do Centrão. Na quarta (19), o Senado tinha votado pela derrubada do veto.

O raciocinio é simples: É melhor fica de mau com parcela dos servidores públicos, neste caso os da saúde e segurança, do que da maioria da população que acha que o servidor público já recebe o bastante pelo seu trabalho.

O placar foi de 316 votos sim (pela manutenção do veto), 165 votos não (pela derrubada) e duas abstenções.

A proibição de reajuste para o funcionalismo público foi uma contrapartida do governo federal para repassar R$ 60 bilhões aos estados e municípios, em maio, como forma de diminuir o impacto da crise gerada pela pandemia no país.

O projeto não concedia reajuste automaticamente – apenas autorizava estados e municípios a fazê-lo caso quisessem. Seria preciso que cada Legislativo local aprovasse textos específicos. Ou seja, pepino de novo para os prefeitos.

"O resultado de votação é um resultado daquilo que é construído, daquilo que a nossa democracia nos dá. Câmara e Senado têm trabalhado. Quando uma vai numa linha que a sociedade mesmo está contra, a outra Casa conserta, e vai assim. A Casa revisora serve pra isso", disse o presidente da Câmara Rodrigo Maia.


Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal