Pular para o conteúdo principal

Rosa Weber pode ser decisiva para o futuro de Lula

Rosa Weber
Se o Supremo insistir em não pautar o debate sobre as prisões em segunda instância, o julgamento do habeas corpus de Lula terá como protagonista a ministra Rosa Weber. Weber é contra a prisão a partir da segunda instância, mas costuma seguir o entendimento da maioria do STF, que decidiu em 2016 pela constitucionalidade das detenções em segundo grau.

Por enquanto, o cenário desenhado é o da análise específica do caso de Lula. Presidente do STF, Cármen Lúcia preferiu analisar apenas o habeas corpus do ex-presidente, mas tem sido pressionada por colegas a pautar a questão de fundo. No atual cenário, o voto de Weber é decisivo.

Indicada por Dilma Rousseff ao Supremo Tribunal Federal em 2011, ela voltará a analisar um caso decisivo para o PT, como fez no julgamento do 'mensalão' há seis anos. Curiosamente, o juiz Sérgio Moro tem ligação com ambos os casos. Antes coadjuvante, ele agora também é um dos protagonistas.

Apresentada pelo procurador Deltan Dallagnol em 2016, a denúncia contra Lula sobre o caso tríplex mencionava o voto de Weber no "mensalão". O Ministério Público lembrou a argumentação da magistrada sobre a flexibilidade das provas admitidas no caso. "Em crimes graves e que não deixam provas diretas, ou se confere elasticidade à admissão das provas da acusação e o devido valor à prova indiciária, ou tais crimes, de alta lesividade, não serão jamais punidos e a sociedade é que sofrerá as consequências."

No julgamento que condenou José Dirceu, José Genoíno e outros integrantes do PT, a magistrada contou com a assessoria jurídica de Moro. Naquela ocasião, a ministra ganhou notoriedade ao afirmar que, apesar de não possuir provas cabais contra Dirceu, a "literatura jurídica" permitia sua condenação, um dos exemplos da aplicação da teoria do domínio do fato ao longo do julgamento.

Desta vez, Rosa Weber não está alinhada com o posicionamento de Moro e dos procuradores da Lava Jato sobre a prisão a partir da segunda instância.

Desde o primeiro julgamento sobre o tema, em 2016, ela demonstra ter uma posição firme a favor de detenções apenas ao fim do trânsito em julgado. Em nova deliberação da Corte, em outubro daquele ano, ela reiterou sua posição contra a prisão a partir do segundo grau ao afirmar ter feito uma interpretação "semântica e gramatical" da carta constitucional.

“Se a Constituição, no seu texto, com clareza, vincula o princípio da presunção de inocência ou não culpabilidade a uma condenação transitada em julgado, não vejo como possa chegar a uma interpretação diversa, ainda que comungue com a imensa das premissas que embasaram os votos da divergência", afirmou à época.

Weber foi voto vencido naquela sessão, que determinou o cumprimento das penas a partir da segunda instância por 6 votos a 5. Por esse motivo, ela tem negado diversos habeas corpus contra condenados no segundo grau. Apesar de discordar do entendimento majoritário da Corte, ela tem decidido com base na decisão do Supremo de 2016. Desde aquele ano, ela negou a liberdade a 57 de 58 condenados em segunda instância.

Além de sua posição decisiva no julgamento de habeas corpus de Lula, Weber também pode ter protagonismo em outra deliberação fundamental para o ex-presidente. Em agosto, ela assume o Tribunal Superior Eleitoral, justamente quando o prazo para o registro de candidaturas se encerra. É previsto que Weber presidirá a Corte em um possível julgamento sobre a impugnação de Lula. Em tese, o ex-presidente não pode ser candidato com base na Lei da Ficha Limpa.


Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.