Pular para o conteúdo principal

Novo escândalo no Ministério do Trabalho

Resultado de imagem para escandalo ministerio do trabalho
O Ministério do Trabalho do governo Temer não sai mais das páginas policiais. É um escândalo atrás do outro.Uma das condições para que o PTB apoiasse o impeachment de Dilma Rousseff (PT) era que a legenda ficasse com o ministério do Trabalho. Michel Temer acatou o pedido, mas, após uma série de controvérsias, que resultaram no afastamento do ministro Helton Yomura da pasta pelo Supremo Tribunal Federal, o partido comandado por Roberto Jefferson comunicou ao Planalto que abre mão do ministério, deixando seu futuro à disposição de Temer.

Yomura não chegou a completar três meses no cargo antes de sair pela porta dos fundos, suspenso de suas funções pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). Seu afastamento é o mais novo capítulo da novela envolvendo o Ministério que se estende desde o início do governo do presidente Michel Temer (MDB). Em março de 2018, a revista Veja publicou uma reportagem denunciando cobrança de propina dentro do ministério. Dois meses mais tarde, no fim de maio, a primeira fase da Registro Espúrio foi deflagrada pela PF. Os nomes envolvidos no escândalo são velhos conhecidos da política nacional, como os deputados federais Roberto Jefferson e sua filha Cristiane Brasil, ambos do PTB-RJ, Jovair Arantes (PTB-GO), Wilson Filho (PTB-GO), Nelson Marquezelli (PTB-SP), Paulinho da Força (Solidariedade-SP) e Ademir Camilo (MDB-MG). Jonas Antunes Lima, assessor de Marquezelli, também teve a prisão autorizada. Até junho, os processos de pelo menos 150 sindicatos e federações apresentavam indício de fraude.


Segundo a Polícia Federal, Yomura agia como "testa de ferro" dos interesses da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) e de seu pai, Roberto Jefferson (PTB-RJ). Ainda de acordo com a PF, Yomura agia ativamente para realizar e coordenar desvios na pasta.


Desde que Michel Temer (MDB) assumiu a Presidência da República, o Ministério do Trabalho tem sido protagonista de uma série de problemas. Ronaldo Nogueira pediu demissão do cargo de ministro no dia 27 de dezembro de 2017. Para substituí-lo, o PTB indicou o nome da deputada Cristiane Brasil. Temer aceitou a indicação no dia 3 de janeiro de 2018. Menos de uma semana depois, um juíz de primeira instância atendeu a uma ação popular e suspendeu a posse de Cristiane. Condenada em primeira e segunda instância por dívida trabalhista, ela não chegou a assumir o ministério.Tentando se defender dos fatos, a deputada gravou um vídeo em uma lancha, cercada por quatro homens sem camisa. Foi em meio a esse imbróglio, ainda em janeiro, que Yomura se tornou ministro interino. Em seguida, Temer recuou da decisão de nomeá-la ministra e Yomura passou a ser oficialmente ministro do trabalho.

O custo político de Temer em manter um ministério para o PTB ficou caro demais.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.