Pular para o conteúdo principal

Justiça determina soltura do presidente da CNI preso em investigação sobre corrupção em contratos do Sistema S

A Justiça Federal de Pernambuco determinou a soltura do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. Ele foi preso na manhã desta terça-feira (19/2), em Brasília, pela Polícia Federal. Ao final do depoimento de Robson, a delegada do caso solicitou a revogação da prisão temporária. Ele deixou a Superintendência da Polícia Federal por volta das 19 horas da noite.

Além de Robson, também foi detido na capital federal Ricardo Essinger, presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe). As investigações da Operação Fantoche apontam que foram criadas empresas de fachada para receber os recursos oriundos dos cofres públicos. Repasses ilegais podem chegar a R$ 400 milhões.

Entre as empresas envolvidas nas fraudes, de acordo com o Ministério Público, está o Sesi. O esquema teria começado em 2002, sendo colocado em prática após a criação de um grupo de empresas geridos pela mesma família. De acordo com as investigações, parte dos recursos eram repassados para projetos culturais e de publicidade. No entanto, a maior parcela do dinheiro era enviado para as empresas criadas para operacionalizar os desvios. Posteriormente, os valores eram divididos para os integrantes do grupo criminoso. A Aliança Comunicação é apontada como maior receptora dos recursos ilegais.

Informações levantadas pela reportagem apontaram que havia uma reunião da diretoria da CNI no Distrito Federal, no dia da operação. O colegiado é composto sobretudo por presidentes de federações estaduais de indústria. Por conta disso, o presidente da entidade e o chefe da Fiepe, estavam na capital. Ricardo Essinger foi preso no Aeroporto Juscelino Kubitschek, após desembarcar de um voo que partiu de Recife.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep-PB), Francisco de Assis Benevides Gadelha, conhecido como Buega Gadelha, se apresentou à PF, também no Distrito Federal.

Em nota, a CNI informou que teve conhecimento de que o presidente da entidade foi à PF “prestar esclarecimentos” e disse estar à disposição das autoridades. “A CNI não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades", completa o comunicado.

A Fiepe afirmou que “todos os processos atendem, criteriosamente, às exigências licitatórias previstas em lei” e que “a equipe técnica da entidade está à disposição para contribuir com a documentação que for solicitada pelos responsáveis pela investigação." Antes de se entregar, Francisco Gadelha disse que “o Sistema Indústria da Paraíba está tranquilo e sem qualquer receio."

A Aliança Comunicação alegou que seus conteúdos “chegaram a mais de 10 milhões de pessoas” e disse que entrega produtos culturais de qualidade. ‘Reforçamos, ainda, que todos os nossos projetos passam por auditorias internas e externas, sem qualquer tipo de restrições quanto a qualidade e a entrega de todos os itens contratados”, informou a empresa. ( Correio Brasiliense)

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in