Pular para o conteúdo principal

Com medo, ministro do Meio Ambiente manda contratar carros blindados para seu uso

Alegando que Ricardo Salles corre risco de morte, o Ministério do Meio Ambiente contratou carros blindados para o ministro usar em Brasília, Rio de Janeiro em São Paulo.
O contrato de R$ 320 mil para os próximos seis meses foi assinado em urgência, o que foi usado para justificar a dispensa de licitação.
Em 3 de junho, um documento do gabinete de Salles afirmou que o ministro "recebeu ameaças contra a sua vida" e que "comprometem sua integridade física".
O ofício pediu uma contratação emergencial de "veículo blindado que forneça o aporte mínimo de proteção, acompanhado de um veículo de escolta, formando assim uma cápsula de segurança".
Dois carros idênticos são necessários nesses casos para não mostrar ao público em qual deles a autoridade está.
Foram citados episódios de ameaças graves em 27 de fevereiro, em Porto Seguro (BA), com "desordem e tentativa de agressão", e, em 28 de abril, na sede da pasta, em Brasília, com "ameaças contra a sua vida".
O ministério pediu à Polícia Federal reforço na segurança, mas não foi atendido.
Então, a PF recomendou "medidas que podem ser adotadas para mitigar situações de vulnerabilidade, entre as quais o uso de veículo blindado nos deslocamentos do senhor ministro".
O subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração informou ainda que o ministério consultou "em diversas ocasiões" se o Palácio do Planalto poderia ceder um carro blindado para Ricardo Salles, mas também recebeu resposta negativa: o contrato de carros blindados do palácio não cita "autoridades que não integram a Presidência da República".
O contrato — firmado com a Obdi Gestão, Terceirização de Frotas e Locação de Veículos, de Curitiba — foi assinado em 26 de agosto, com vigência de seis meses, por R$ 320 mil.
A Consultoria Jurídica do ministério defendeu que havia uma "situação extraordinária e urgente apresentada, retratados como indispensáveis para evitar o risco de dano irreparável" ao ministro.
O parecer foi semelhante ao da Coordenação-Geral de Compras: havia "risco de prejuízo irremediável à vida da autoridade máxima do órgão".
(Por Eduardo Barretto- Revista Época)

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in