Pular para o conteúdo principal

China decide: "Apenas coma cães e gatos"

Mercado de carne chinês foto editorial. Imagem de dessert - 33310041
O Ministério da Agricultura de Pequim publicou um projeto de lei sobre a "reorganização dos recursos alimentares". A parte principal da provisão contém a lista de animais, que não poderão ser criados para consumo humano, na tentativa de acabar na cadeia alimentar, com algumas carnes exóticas. Cães (e gatos) não estão incluídos.

Na realidade, eles nunca haviam sido incluídos no "catálogo ministerial de animais de carne". Mas desta vez o legislador chinês se concentra nos cães e observa que "com o progresso da civilização e as preocupações das pessoas pela proteção da natureza, os cães não são mais considerados apenas animais de estimação, mas companheiros do homem, como no resto do mundo". mundo. " Curioso que a burocracia chinesa cite cães e não gatos, mas os felinos também parecem assimilados, pois permaneceram fora do catálogo. 

O governo chinês quer impedir a repetição do salto de um vírus da carne de animais em gaiolas ou abatidos para seres humanos, como aconteceu no mercado de Wuhan. O portador do Covid-19 teria sido um morcego, mas outro animal "hospedeiro" era necessário para a propagação. 

A lei está agora aberta à "consulta popular, por 18 dias", e depois passará ao Congresso do Povo. 

Comer carne de cães e gatos, de acordo com crenças antigas, reduz o calor interno do corpo, ajuda a circulação sanguínea, fortalece a virilidade. Todos os anos, dez mil cães são massacrados no início do verão.  A paixão pela carne de cachorro também é difundida em outros países asiáticos, como a Coréia. A Humane Society International estima que 30 milhões de animais são sacrificados e esquartejados a cada ano, 10 milhões na China. ( Fonte: Corriere Della Serra).

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in