Pular para o conteúdo principal

Maior grupo empresarial da serra anuncia programa de demissão

Foto aérea das Empresas Randon - Caxias do Sul | Randon | Flickr
O maior grupo empresarial da Serra, o Grupo Randon, anunciou nestes segunda-feira, 27, a redução e suspensão de jornada conforme convenção coletiva assinada na semana passada com o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos da região. Também foi lançada um programa de  demissão voluntária que inclui benefícios para quem deseja se desligar, como um salário a mais, plano de saúde por seis meses, vale-rancho, entre outros pontos. Neste primeiro momento, as medidas só valem para as empresas de Caxias do grupo.

Após férias coletivas, as empresas Randon retomaram as atividades em Caxias do Sul no último dia 13 com seu quadro parcial de colaboradores. O setor metalmecânico é um dos principais segmentos econômicos da região, e também um dos mais afetados pela crise.
Segue nota oficial na íntegra enviada pela empresa:

Nos últimos meses, em razão da pandemia de Covid-19, as Empresas Randon vêm adotando diversas medidas para proteger a saúde dos seus colaboradores e familiares, para assegurar a continuidade das operações e para contribuir com o funcionamento da economia local e global. Entre as ações implementadas estão férias coletivas e individuais, flexibilização de jornada, home office, além de iniciativas de prevenção como, por exemplo, medição de temperatura dos funcionários nos acessos à empresa, uso de pulverizadores e outros recursos de higienização e montagem de postos de triagem nas unidades para atendimento e esclarecimento de dúvidas. 
Para dar seguimento a essas ações, a companhia, com base na convenção coletiva firmada por representantes de classe, adotará, a partir do mês de maio, suspensão e redução de jornada de trabalho, proposta do governo federal para incentivo à preservação de empregos. Além disso, buscando oferecer aos seus colaboradores alternativas adequadas ao atual cenário, a empresa está abrindo a possibilidade de desvínculo voluntário, iniciativa que assegura benefícios diferenciados por tempo prolongado e condições mais favoráveis do que o usual. As ações são válidas para as unidades metalúrgicas da empresa em Caxias do Sul. 
Neste momento, a companhia reforça que também está engajada em apoiar a comunidade e, para isso, já realizou doação de EPIs para rede hospitalar e insumos para produção de respiradores e álcool em gel, firmou parceria na fabricação de máscaras de proteção facial e distribuiu 50 mil frascos de álcool em gel para caminhoneiros em estradas do Brasil. Além disso, Randon, Marcopolo e Simecs, em parceria, realizaram doação para a compra de respiradores.   
As Empresas Randon ainda ressaltam que estão atentas às melhores práticas adotadas no mundo com o objetivo de mitigar os impactos da Covid-19 e, principalmente, para seguir com o compromisso de preservar a saúde dos seus colaboradores e de toda a comunidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.