Pular para o conteúdo principal

Servidores insistem em querer aquilo que a sociedade não quer

A sociedade quer mais trabalho, mais austeridade, menos desperdício, mais economia, serviço público de qualidade, dedicação, esforço, trabalho extra, vontade, respeito, atenção, enfim, essas e outras coisas mais, e que deveriam fazer parte do dia a dia do servidor público.

Ninguém aguenta mais suportar e pagar por benefícios que são exclusivos do funcionalismo.  Afinal no que eles são diferentes de qualquer trabalhador da iniciativa privada? O que é tão difícil assim, que é necessário conceder vantagens e benefícios adicionais e que não fazem parte da vida de qualquer trabalhador? Porque, por exemplo, o tempo de aposentadoria é diferente entre um funcionário público e um trabalhador na inciativa privada?

Nesta terça-feira novamente os servidores públicos estaduais, professores na maioria, e aposentados, vão em marcha para Porto Alegre protestar contra o pacote de reforma das carreiras do funcionalismo anunciado pelo governador Eduardo Leite. Não tem cabimento isso. É hora de trabalhar, de contribuir para um Estado melhor no futuro. Não dá mais para perpetuar privilégios e desigualdades até os 100 anos de idade. O foco do serviço público deveria ser a satisfação do cliente e não a garantia do servidor num emprego vitalício. Não aceitam nem sequer discutir alternativas. São radicais ao ponto de não querer nada da proposta do governo.

Ora, o que os professores querem, a sociedade não quer mais.

Depois da Federasul e da Fecomércio, que desde o início deram apoio integral ao pacote do governador nesta segunda-feira (9) foi a vez da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) entrar no mutirão para tentar convencer os deputados a aprovarem as medidas.  Ou seja, setores representativos da sociedade civil já firmaram posição de que o funcionalismo está errado. E se fizermos uma enquete, tenho a impressão que a grande maioria da população também entende que é preciso mudar.

Então porque insistir em algo que vai contra o que a maioria pensa? O problema é que nossa sociedade é viciada em privilégios. Todo mundo tem, ou busca, um privilégio para chamar de seu. No fundo é isso.

Por outro lado, surge a notícia de que em âmbito federal, a reforma do serviço público preparada pelo governo pode determinar que a estabilidade no cargo só seja concedida se a população avaliar positivamente as atividades desempenhadas por um funcionário público aprovado em concurso. A intenção foi apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta segunda-feira (9). Isso é ótimo. Estabilidade no emprego, porque?

O governo já havia informado que seria proposto um novo sistema de avaliação de desempenho feito pelos gestores do serviço público sobre seus subordinados. A regra valeria para que a estabilidade fosse atingida e também para as progressões de carreira.

Agora, Guedes fala em um fator adicional. Segundo ele, é preciso analisar se o funcionário realmente atende bem a população. De acordo com o ministro, se houver avaliação positiva dos cidadãos, junto com um retorno favorável dos chefes imediatos e funcionários experientes, a estabilidade poderá ser concedida.

Precisamos avançar.







Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.