Pular para o conteúdo principal

O pedido de demissão do Ministro Moro representa fim do moralismo pregado por Bolsonaro

Sergio Moro diz sobre segurança durante quarentena: 'não devemos ...
O fato é grave. As declarações de Moro suscitam que o jogo político e tudo aquilo que ele defendeu e teve como garantias do presidente Bolsonaro que não seriam mais aceitas na república se foram. Estão perdidas, e o mecanismo volta a funcionar. Pelo menos 7 crimes o presidente já teria cometido. Moro tem provas documentais, diz a imprensa. Bolsonaro disse que vai se pronunciar e restabelecer a verdade. Não tem como. Ficará sempre a suspeição, até a apuração final dos fatos.

“Busquei ao máximo evitar que isso acontecesse, mas foi inevitável”, lamentou o ministro, por fazer o anúncio de sua demissão em meio à pandemia da Covid-19. “Não foi por minha opção”.

O pedido de demissão de Moro ocorreu depois de o presidente exonerar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, do cargo. A Polícia Federal faz parte da estrutura do Ministério da Justiça, pasta que Moro ocupava. “O grande problema dessa troca é uma violação da promessa que me foi feita”, afirmou Moro. “Isso não aconteceu na Lava Jato, a despeito de toda a desordem”, disse.

É bem provável que a câmara e o Senado instalem CPI para investigar denúncias de Moro. A crise política se instala fortemente, é o pior momento do presidente que fritou recentemente seu ministro da saúde e anda ignorando os avisos da economia previstos por Guedes. As afirmações de Moro é prato cheio para Rodrigo Maia.

Segundo Moro, Bolsonaro afirmou que queria colocar alguém no cargo alguém a quem “ele pudesse ligar, pedir relatórios”. Além disso, Moro afirmou que o presidente disse que “tinha preocupação com inquéritos no STF” e que por isso a troca seria oportuna.

Pouco antes do anúncio oficial da saída de Moro, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, disse que “o juiz Sergio Moro representou a face da Lava Jato”, uma operação que “transcendeu o fato de ser uma operação policial-judicial e passou a ser um símbolo, passou a ocupar um espaço no imaginário social brasileiro”. Em sua visão, a notícia de sua demissão “revela, como fatos já vinham revelando, um certo arrefecimento desse esforço de transformação do Brasil”.

O ministro Marco Aurélio, do STF, em entrevista à Rádio Gaúcha, destacou que a Polícia Federal não pode ser polícia de governo, e sim de Estado. “Portanto, tem que atuar com absoluta independência”, disse. Para o ministro, o novo designado para o comando da PF “já vai chegar com um estigma, sob suspeição quanto à sua atuação”. O ministro não se manifestou se Bolsonaro cometeu ou não crime de responsabilidade, pois disse que é papel do Congresso e do Procurador-Geral da República (PGR) se pronunciarem sobre isso.

Moro sai fortalecido novamente. Era o ministro mais popular do governo. Manter suas convicções o fazem novamente uma referência de moralidade contra a corrupção que o povo tão fortemente repudiou nas urnas na última eleição e nos milhares de protestos por todo o país.

As acusações de Moro sobre as supostas interferências de Bolsonaro na atividade da PF também foi repudiada pelos procuradores integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná. Por meio de nota, os procuradores dizem que “o trabalho do Estado contra a corrupção exige instituições fortes, que trabalhem de modo técnico e livre de pressões externas nas investigações e processos”. Assim, “a escolha de pessoas para cargos relevantes na estrutura do Ministério da Justiça e da Polícia Federal deve ser impessoal, guiada por princípios republicanos e jamais pode servir para interferência político-partidária nas investigações e processos”.

Há uma dupla pressão política do presidente Presidente sobre a Polícia Federal: a primeira é a continuidade da Operação Lava-Jato, a segunda é a investigação sobre o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente.


Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Passou no Senado e agora foi para a Câmara Federal o projeto que proíbe que companhias aéreas cobrem pela marcação antecipada de assento em aeronaves. O conteúdo da matéria foi exposto pelo senador Jorge Viana (PT-AC) durante a Ordem do Dia. Ele afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável pelo setor, estava despreocupada com a cobrança. A proposta, de autoria do senador Reguffe (sem partido-DF), foi aprovada em votação simbólica. Se for aprovado pelos deputados e sancionado pela Presidência, será obrigatória a marcação gratuita. Caso a regra não seja cumprida, uma cobrança de multa será realizada. Neste ano, as companhias aéreas Gol, Latam e Azul Linhas Aéreas decidiram cobrar pelo assento. Pelos preços estabelecidos pelas empresas, o serviço chegará a custar R$ 25 para o consumidor.