Pular para o conteúdo principal

Bento Gonçalves perde o empresário José Eugênio Farina

Fisul Personalidades apresenta José Eugênio Farina - SERRANOSSA
Bento Gonçalves perdeu nesta quarta-feira um dos seus mais ilustres e inspirador empreendedor. Morreu o empresário José Eugênio Farina, presidente do Conselho Consultivo do Grupo Todeschini. Ele tinha 95 anos. A causa da morte não foi divulgada. Ele já vinha sendo submetido a tratamento de saúde há algum tempo. Estava em casa buscando recuperar-se de um AVC.

"'Seu Farina', como conhecido por todos, deixa um legado de empreendedorismo, liderança, trabalho e respeito a todos que conviveram com ele. Lamentamos e compartilhamos o pesar neste momento de perda com sua família." , diz trecho da nota de pesar postada na rede social da empresa e assinada pela direção.

Seu Farina, era uma pessoa inspiradora, dona de um sorriso contagiante. Sempre motivado, conciliador e com um visão de vanguarda para seu negócio ele construiu um sólido grupo empresarial, que se tornou referência nacional e internacional. Deu emprego para várias gerações de bentogonçalvenses, e até de outras milhares de famílias que vieram morar e trabalhar em Bento Gonçalves.

José Eugênio Farina iniciou sua vida profissional com 12 anos, como balconista de uma farmácia. Depois, trabalhou em um armazém de secos e molhados, como balconista em uma agência de automóveis até chegar ao cargo de diretor na Metalúrgica Bento Gonçalves e na Farina S/A.

Em 1971, ele adquiriu ações da Todeschini S/A, reconhecida como uma das mais proeminentes fabricantes de acordeões da América Latina, entretanto com o famoso instrumento já entrando em declínio comercial. Assim, direcionou sua ação para o mercado moveleiro. Após um incêndio que destruiu todas as instalações, iniciou uma caminhada rumo ao desenvolvimento e crescimento do mercado moveleiro brasileiro. Iniciava-se a fabricação de móveis componíveis. Atualmente, a Todeschini S/A é uma das maiores empresas do setor moveleiro, reconhecida internacionalmente, e atuando em diversos segmentos através de suas coligadas Italínea, Criare, Carraro, Avantti, Todesmade, Todesflor, Grato e Todescredi.

Farina também é reconhecido por sua contribuição comunitária. Durante sua trajetória, integrou diversas entidades empresariais e sociais, sendo presidente do CIC-BG, da Fenavinho, da Apae, do Conselho Administrativo do Hospital Dr. Bartholomeu Tacchini, dentre tantas outras.

Seu Farina sempre dizai "A Todeschini se tornou a empresa que é graças as pessoas que trabalham aqui. Somos feitos de pessoas e, se chegamos até aqui foi por causa delas'.

Na passagem dos 80 anos da Todeschini, disse: " é emocionante pensar no que nos transformamos, e no futuro da marca que é construído todos os dias. A Todeschini sempre foi um grande sonho. E ainda é”.

Seus ensinamentos permanecem entre nós.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.