Pular para o conteúdo principal

Os médicos continuam descobrindo novas maneiras pelas quais o coronavírus ataca o corpo

Atualmente, existe um amplo reconhecimento de que o novo coronavírus é muito mais imprevisível do que um simples vírus respiratório: geralmente ataca os pulmões, mas também pode atingir qualquer parte do cérebro aos dedos dos pés.

Mais de quatro meses de experiência clínica na Ásia, Europa e América do Norte mostraram que o patógeno faz muito mais do que invadir os pulmões. Ataca o coração , enfraquecendo seus músculos e interrompendo seu ritmo crítico. Isso afeta tanto os rins que alguns hospitais não dispõem de equipamentos de diálise. Ele se arrasta pelo sistema nervoso, destruindo o paladar e o olfato e, ocasionalmente, atingindo o cérebro. Ele cria coágulos sanguíneos que podem matar com eficiência repentina e inflama os vasos sanguíneos por todo o corpo. Pode começar com alguns sintomas ou nenhum, e dias depois, espremer o ar dos pulmões sem aviso prévio. Apanha os idosos , pessoas enfraquecidas por doenças anteriores e, desproporcionalmente, os obesos.

Especialistas dizem que levará anos até que se entenda como a doença danifica os órgãos e como medicamentos, genética, dietas, estilos de vida e distâncias afetam seu curso.

O primeiro é o dano que o vírus causa nos vasos sanguíneos, levando a coágulos que podem variar de microscópicos a consideráveis. Os pacientes sofreram derrames e embolia pulmonar quando os coágulos se soltam e viajam para o cérebro e os pulmões. Um estudo da Lancet, uma revista médica britânica, mostrou que isso pode ocorrer porque o vírus atinge diretamente as células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos.

A segunda é uma resposta exagerada do próprio sistema imunológico do corpo, uma tempestade de “citocinas” assassinas que atacam as células do próprio corpo junto com o vírus, na tentativa de defender o corpo de um invasor.

A inflamação dessas células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos pode ajudar a explicar por que o vírus prejudica tantas partes do corpo, disse Mandeep Mehra, professor de medicina da Harvard Medical School e um dos autores do estudo Lancet sobre como a covid-19 ataca o sangue. embarcações. Isso significa que derrotar o covid-19 exigirá mais do que terapia antiviral, disse ele.

"O que esse vírus faz é começar como uma infecção viral e se tornar um distúrbio mais global no sistema imunológico e nos vasos sanguíneos - e o que mata é exatamente isso", disse Mehra. "Nossa hipótese é que a covid-19 começa como um vírus respiratório e mata como um vírus cardiovascular".

Pesquisas e terapias estão focadas nesses fenômenos. Diluentes de sangue estão sendo mais amplamente utilizados em alguns hospitais . Uma revisão dos registros de 2.733 pacientes, publicada quarta-feira no Journal of American College of Cardiology, indica que eles podem ajudar os mais graves.

O pensamento dos especialistas em rins evoluiu de maneira semelhante. Inicialmente, eles atribuíram doença renal generalizada e grave aos danos causados ​​por ventiladores e certos medicamentos administrados a pacientes em terapia intensiva, disse Daniel Batlle, professor de medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Northwestern Feinberg.

Então eles notaram danos nas células renais que filtram resíduos de pacientes antes mesmo de precisarem de cuidados intensivos. E estudos de Wuhan descobriram o patógeno nos próprios rins, levando à especulação de que o vírus está prejudicando o órgão.

Uma vez dentro de uma célula, o vírus se replica, causando o caos. Os receptores ACE2, que ajudam a regular a pressão sanguínea, são abundantes nos pulmões, rins e intestinos - órgãos atingidos pelo patógeno em muitos pacientes. Também pode ser por isso que a pressão alta emergiu como uma das condições preexistentes mais comuns em pessoas que ficam gravemente doentes com o covid-19.

Os receptores diferem de pessoa para pessoa, levando à especulação de que a genética possa explicar parte da variabilidade dos sintomas e quão doentes algumas pessoas ficam.

O banco de dados da Organização Mundial da Saúde já lista mais de 14.600 artigos sobre a covid-19, mas há ainda muito para se apreender sobre esse terrível vírus.

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. A penas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%. Eis a nota: A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de in