Pular para o conteúdo principal

Pelo menos 3 vacinas para coronavírus já estão na terceira fase de estudos

TV Assembleia | Assembleia Legislativa do Piauí
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) há, no momento, 139 opções de vacina contra coronavírus sendo desenvolvidas. Contudo, apesar de nenhuma delas já ter apresentado resultados comprovadamente eficazes, três já estão em fases de estudo mais avançados.

China - Sinovac e Instituto Butantã

A expectativa é de que ela esteja disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) até junho de 2021, segundo o governador João Doria.A produção em massa da vacina dependerá dos resultados obtidos a partir da terceira fase dos estudos clínicos que contará com 9.000 brasileiros e está previsto para começar em julho. As fases iniciais foram realizadas na China, com 1.000 voluntários.

Inglaterra - Universidade de Oxford e AstraZeneca

Os testes em humanos já começaram. O estudo de fase 1 no Reino Unido está prestes a ser concluído e outro, de fase 3, já foi iniciado.A AstraZeneca informou ter assinado contratos com França, Alemanha, Itália e Holanda para fornecer até 400 milhões de doses da vacina em potencial a toda a União Europeia. A farmacêutica também fechou acordos com Estados Unidos e Reino Unido. A fase 3 da vacina será concluída no Brasil e contará com a participação de 2.000 voluntários no país, sendo metade em São Paulo, com realização da Unifesp, e o restante no Rio de Janeiro, pela Rede D'Or.

No entanto, diferentemente da vacina chinesa, a tecnologia requerida pela Universidade de Oxford é nova e não é dominada pelo Instituto Butantã.


Estados Unidos - Moderna e Institutos Nacionais de Saúde do país

Os testes preliminares tiveram resultados positivos. Durante o estudo, oito pacientes receberam doses pequenas e médias da vacina e foram capazes de criar níveis de anticorpos semelhantes ou superiores aos encontrados em pacientes já recuperados da doença.Tais resultados indicam que, pelo menos neste momento inicial, a vacina consegue gerar um certo quadro de imunidade. No entanto, como os testes foram feitos com um número muito reduzido de pacientes, ainda não é possível confirmar sua eficácia.Novos testes com 600 pessoas foram anunciados pela empresa para começar em julho. 

Entenda as fases de uma vacina
Fase 1: a primeira etapa funciona como uma avaliação preliminar. Nela são necessários poucos voluntários adultos e todos são monitorados de perto;
Fase 2: testes são realizados em em centenas de participantes para coletar dados que indiquem os melhores horários e doses para serem utilizados na fase 3. Os voluntários são escolhidos aleatoriamente e também são acompanhados com certo cuidado;
Fase 3: A terceira fase funciona como um ensaio em larga escala. A partir da vacinação de milhares de voluntários, será fornecida uma avaliação definitiva sobre sua eficácia e segurança.
blicidade









Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.