Pular para o conteúdo principal

Está faltando matéria prima para as indústrias moveleiras produzirem

Chapas de Fibra e MDF | Embalatex

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) emitiram comunicado conjunto acerca do desabastecimento de painéis de madeira para indústrias e marcenarias. A pandemia provocou paralisação do consumo doméstico da matéria prima, fazendo com que as fornecedoras buscassem o mercado externo. No entanto, com a reabertura do comércio, o ritmo de produção das indústrias de móveis brasileiras cresceu rapidamente. Resultado: Desabastecimento interno. Alta nos preços. Está faltando chapa de MDF e MDP para atender a demanda nacional. Apenas no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, a exportação do MDP cru para a China registrou aumento de 700% e caso muito semelhante ocorreu com os EUA, com alta de mais de 600%.

Eis a nota:

A Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário (Abimóvel) e a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que representa a indústria de chapas de painéis, em atenção às manifestações de indústrias, sindicatos e empresários que compõem a cadeia produtiva de madeira e móveis, quanto aos problemas relacionados ao abastecimento, em especial ao atraso nas entregas e à falta de matéria-prima e outros insumos, esclarecem, que o cenário de pandemia global é atípico e desafiador, com implicações sociais, políticas e econômicas. Todas as cadeias produtivas foram gravemente afetadas, com a disrupção dos seus processos produtivos, os quais, neste momento, estão em um processo de reorganização. Isto não está sendo diferente para o setor de comercialização do mobiliário e seus fornecedores. 

O desabastecimento é estrutural, a diminuição da oferta de insumos é consequência direta da crise que todos ainda estamos atravessando. Entre os meses de março e abril houve uma queda abrupta em torno de 50% do volume das vendas domésticas, nas quais as companhias tiveram que realizar movimentos naturais de sobrevivência e manutenção de empregos, como redução da jornada de trabalho, suspensão de contratos e diminuição de produção. Com a reabertura do comércio, no mês de junho, tivemos a sinalização de retomada significativa da demanda interna, acima da expectativa, com um incremento de mais de 60% das vendas domésticas em relação ao mês anterior. Movimento este, que ocorreu em julho e vem crescendo diariamente, ou seja, houve uma explosão de consumo, a qual achamos que se deve em função de toda a demanda reprimida por conta da Pandemia e suas restrições.

No entanto, as indústrias de painéis, bem como a indústria de móveis, seguem trabalhando para o reequilíbrio da oferta e demanda com um olhar atento para a equalização dos estoques em todos os elos da cadeia produtiva. Em médio prazo deveremos ter uma estabilização, o que permitirá traçar um horizonte mais próximo da normalidade e regularização das questões ora enfrentadas. Durante o acirramento da pandemia, tanto as indústrias moveleiras, como fornecedoras, buscaram outras possibilidades de mercado, para conseguir equilibrar seus custos, como o mercado internacional, porém, os valores não são significativos, se comparados ao mesmo período do ano passado, a ponto de causar distorção no suprimento do mercado doméstico. Comparando-se o volume consolidado (MDF+MDP+HB) exportado entre os meses de janeiro a julho deste ano com o volume do mesmo período de 2019, pode-se observar que não houve incremento.

Por fim, vale mencionar que as duas entidades, estão trabalhando na busca por soluções, mantendo um trabalho intersetorial intenso com vistas ao fortalecimento da cadeia produtiva e à valorização do móvel brasileiro, pois somos elos da mesma cadeia produtiva. Esperamos que toda esta questão estrutural, que hora estamos enfrentando, seja regularizada o mais rápido possível, com união, equilíbrio e buscas por soluções e oportunidades para todos, pois a equação não é fácil e exigirá tempo e grandes esforços de todos, para que tudo volte à normalidade.



Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.