Pular para o conteúdo principal

Pão de Açúcar quer vender R$ 1 bilhão em vinhos



Em 2020, o Pão de Açúcar vendeu mais de 20 milhões de garrafas de vinho em todo o País, um crescimento de 37% em comparação ao ano anterior. As vendas online de brancos e tintos trouxeram R$ 140 milhões aos cofres da empresa, um avanço de 255% – a rede varejista controlada pelo grupo francês Casino não revela os dados das lojas físicas, apenas diz que elas vêm crescendo a uma taxa de mais de 50% desde 2018.

Esse desempenho fez do Pão de Açúcar o supermercado que mais importou vinhos no Brasil em 2020 e o segundo maior entre todas as empresas que trazem vinho para o País, atrás apenas da VCT, filial local da chilena Concha y Toro, segundo dados da consultoria Ideal Consulting. No total, a rede varejista representou 7% do total dos vinhos importados para o Brasil no ano passado.

A companhia está traçando um plano para que a área de vinhos atinja um faturamento de R$ 1 bilhão até 2023. “Queremos ser a maior plataforma de comercialização de vinhos na América Latina”, afirma Rodrigo Pimentel, diretor de e-commerce alimentar do grupo Pão de Açúcar, ao NeoFeed.

O avanço passa pela criação de um marketplace, que entrou no ar no começo deste ano, abrindo espaço para que pequenos produtores, importadores, lojistas até os concorrentes possam vender vinhos na plataforma online do Pão de Açúcar.

Nesse início, já são dez parceiros que disponibilizam por volta de cinco mil itens na plataforma de e-commerce do Pão de Açúcar. Nesse modelo, a rede varejista ganha uma comissão a cada venda – o valor cobrado não é divulgado pela empresa.

Um dos parceiros é o TodoVino, plataforma online da importadora Intefood, teoricamente um concorrente do Pão de Açúcar. Com essa estratégia, a companhia aumenta o número de rótulos disponíveis online sem ter de desembolsar recursos nos custos de estoque e de distribuição. “O marketplace alavanca a venda do pequeno produtor, do importador, de quem precisa de audiência. Temos isso para oferecer com o nosso site”, afirma Pimentel.

O movimento de expansão do Pão de Açúcar acontece em um momento em que as vendas de vinhos estão em alta no mercado brasileiro. Em 2020, foram comercializados 501,1 milhões de litros, uma alta de 31%, segundo a Ideal Consulting. No ano passado, a venda de vinhos nacionais subiu 32,4%, enquanto os importados tiveram crescimento de 26,5%.

As vendas online foram um dos grandes destaques. Tanto que a Wine, maior e-commerce de vinho do Brasil, cresceu quase 40% em 2020, atingindo um faturamento de R$ 450 milhões. Por outro lado, marketplaces com grande tráfego entraram também na área de vinho. São os casos de Mercado Livre, Americanas.com e Magazine Luiza.

Mas ao apostar em um marketplace, o Pão de Açúcar não vai abrir mão do espaço que já conquistou no mundo do vinho. A importação própria continua, principalmente com vinhos desenvolvidos para agradar ao paladar brasileiro.

Um exemplo é a linha Club do Sommeliers, que começou a ser trazida para o Brasil no ano 2000 e atualmente representa 14% das vendas entre todos os rótulos disponíveis pelo supermercado.

Os corredores inteiros de vinhos nas lojas físicas também são fundamentais na estratégia do Pão de Açúcar. E o motivo é simples. “Atualmente, boa parte das nossas vendas começa no site e termina na loja. O clique e retire na loja é muito forte”, diz Pimentel.
Fonte: Newtrade

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.