Lava Jato vê ameaça em julgamento do STF

Resultado de imagem para lava jato ameaça
A decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal que, por 6 a 5, manteve no âmbito da Justiça Eleitoral o julgamento de casos de corrupção e lavagem de dinheiro se estiverem relacionados a delitos eleitorais, como caixa 2 levantou nova discussão sobre o futuro da operação. Depois da saída de Sérgio Moro, esta decisão de agora parece ser nova ameaça a força-tarefa criada em Curitiba. Integrantes dizem que a decisão do Supremo constitui uma ameaça à operação anticorrupção.
Movimentos de direitistas também entendem assim, tanto que convocaram para este domingo diversas manifestações públicas em várias cidades brasileiras.

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa em Curitiba, chegou a publicar mensagem em rede social para dizer que começa a se “fechar a janela de combate à corrupção política que se abriu há cinco anos”.

Um dos argumentos da Lava Jato para manter na Justiça Federal os casos de crimes conexos aos delitos eleitorais é o de que a Justiça Eleitoral, “apesar de seus méritos, não está adequadamente estruturada para julgar casos criminais mais complexos, como de corrupção ou lavagem de dinheiro”, como explicou o ministro Sergio Moro. E é verdade.

Há uma sensação clara que a operação se tornou alvo de uma crise política e jurídica. A força-tarefa chega até aqui pedindo R$ 18,2 bilhões em indenizações.

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) vai representar retrocesso. Ao longo de cinco anos, a Justiça Federal criou varas especializadas, fez contatos com autoridades internacionais e desenvolveu uma tecnologia de primeira linha no combate à corrupção. Mas, agora, os processos serão enviados para a Justiça Eleitoral, que não tem estrutura nem expertise para lidar com processos complexos. Pode até se aprimorar, mas vai levar anos.

A sociedade deve ficar vigilante.

Postagens mais visitadas deste blog

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Fim da cobrança por marcação antecipada de assento em aeronaves depende agora da Câmara

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal