Na Itália, mais de 100 padres já morreram para dar conforto aos doentes e os menos favorecidos

Coronavírus, os mais de 100 padres que morreram para dar conforto aos doentes e os menos

Até este sábado (11), 105 padres morreram vítimas da Covid-19. Somente na diocese de Bérgamo, a mais afetada da Itália, foram 25 padres "seculares" mortos pela pandemia e mais 14 religiosos e 84 freiras. O centésimo padre, calculou o jornal dos bispos Avvenire , morreu em Pesaro, seu nome era Don Marcello Balducci e ele tinha 61 anos. Ele também, apesar de ter problemas de saúde há algum tempo, permaneceu "de plantão" até o fim, entre os fiéis, para confortar os paroquianos. Muitos padres que acabaram sendo infectados decidiram ficar perto de seu povo como haviam feito por toda a vida. Don Fausto Resmini, que morreu aos 67 anos em terapia intensiva em Como, criou uma comunidade para menores, foi capelão da prisão, adquiriu alimentos, remédios e cobertores para os moradores de rua da estação de Bergamo. Ele passou a noite em um trailer e ajudou pobres, idosos e migrantes.

Muitos padres também morreram no Centro e no Sul da Itália. Um dos mais novos, Alessandro Brignone , de 45 anos , era pároco em Caggiano (diocese de Acerra). Ou Silvio Buttitta, 83 anos, de Palermo, um padre da aldeia. E novamente: Gioacchino Basile , 60 anos, era de Reggio Calabria, mas morreu no bairro de Brooklyn em Nova York, onde era pároco. Entre as vítimas de Covid também Remo Rota , 77 anos, de Lecco. Por 38 anos no Congo, ele simplesmente disse sobre si mesmo: "Fiz tudo, espero que tenha feito bem o padre, com meus defeitos".

POSTAGENS MAIS VISITADAS