Pular para o conteúdo principal

Covid-19 pode durar de 18 a 24 meses até que 60 a 70% da população tenha imunidade de rebanho

"Covid-19?  Vai durar de 18 a 24 meses, até 60 a 70% de imunidade de rebanho »
O que acontecerá no futuro com a pandemia de Covid-19 é impossível saber. No entanto, embora ninguém tenha uma bola de cristal, alguns cenários podem ser levantados com base nas oito pandemias de gripe que ocorreram desde a década de 1700. 

Estudo do Cidrap- Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota revela que o vírus nos acompanhará pelos próximos 18 a 24 meses e não parará até que 60-70% da população esteja imune, por contágio ou por vacina.

As lições anteriores

Que lições podem ser aprendidas das pandemias anteriores? Sete tiveram um pico imediato, que depois caiu sem nenhuma intervenção humana. Cada uma dessas seitas teve um segundo pico substancial cerca de seis meses após o primeiro. Alguns apresentaram ondas mais atenuadas de casos após o inicial.


Dada a transmissibilidade do Covid-19, será necessário que 60-70% da população se imune a atingir um limiar crítico que interrompe a pandemia.


E os cenários para o futuro provavelmente serão três.

Primeiro cenário: picos e quedas

A primeira onda é seguida por uma série repetida de ondas menores que se seguem por um período de 1-2 anos, diminuindo gradualmente a intensidade em 2021. Ondas que podem variar do ponto de vista geográfico e dependem de por medidas de mitigação e seu relaxamento. Dependendo da altura das ondas, a reintrodução de medidas de contenção pode ser necessária.


Segundo cenário: forte pico

No segundo cenário, a primeira onda é seguida por uma segunda e mais grave e por uma ou mais ondas menores subsequentes em 2021. Esse cenário exigiria a reintrodução de medidas de mitigação para não ocorrer o colapso de hospitais. É um cenário que segue o que foi vivido em 1918-19 com a influência espanhola. Depois de uma primeira onda menor em março de 1918, houve uma segunda onda importante no outono de 1918 e uma terceira ainda maior no inverno, que diminuiu gradualmente até o verão de 1919. Tendências comparáveis ​​ocorreram em 1957-58 e em 2009 -10.

Terceiro cenário: diminuição lenta

No terceiro cenário, a primeira onda é seguida por transmissões lentas e casos de contágio, sem uma direção precisa das ondas. Um cenário que pode diferir de uma área para outra e que, em qualquer caso, nunca foi registrado em pandemias passadas. No entanto, poderia ser uma possibilidade, segundo Cidrap, que prevê a presença de casos e óbitos relacionados ao coronavírus.


Menos grave, mas não nos abandonará

É possível, em conclusão, que com o passar do tempo o Covid-19 também siga o destino dos outros vírus: não nos abandonará e continuará a circular, sincronizando-se de acordo com um padrão sazonal com os outros patógenos e com menor gravidade.

(Publicado pelo Corriere-IT).

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo Doha apresenta detalhes do porto de Arroio do Sal

Foi apresentado nesta sexta-feira(14) para um pequeno grupo de autoridades, empresários e corretores de imóveis em Arroio do Sal, o projeto de construção do novo porto marítimo do litoral norte do RS. Um grupo de investidores russos, do Grupo Doha Investimentos e Participações SA, vai construir o porto, em Arroio Seco/Arroio do Sal. Cerca de 25 mil empregos diretos e indiretos deverão ser gerados a partir da operação do porto. Os empreendedores russos têm 1 bilhão de dólares, para investir. O dinheiro já está garantido. A ideia é aproximar o comércio brasileiro da União económica euro-asiática. Um mercado comum que abrange 170 milhões de pessoas e significa um PIB da ordem dos US$ 2,2 trilhões de euros. Atualmente, a organização é composta pela Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia. O empreendimento vai modificar sobremaneira a realidade dos municípios do litoral norte, sem contar a valorização imobiliária prevista no entorno.

Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT tinha um amante

Em delação premiada, o advogado Alexandre Correa Romano, da Odebrecht, contou para a Polícia Federal como manteve tórrido romance com Gleisi num hotel de luxo dos Alpes da Suíça. Lá onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. E Paulo Bernardo, o marido traído, ficava em Brasília, seja como ministro do Planejamento, seja ocupando a cadeira principal do Ministério das Comunicações, enquanto sua estrela predileta flutuava em na realização de suas fantasias eróticas. O jornalista Mino Pedrosa conta em detalhes escandalosos as razões que estão por trás do apelido que a Odebrecht aplicou na senadora Gleisi Hoffman No rastro do advogado Alexandre Correa Romano, a Polícia Federal encontrou um flat que era utilizado para guardar dinheiro e encontros clandestinos e amorosos. Segundo documentos da Operação Lava Jato, o flat fica na rua Jorge Chamas, 334, apartamento 44, em São Paulo. Romano recebia hósp

Russos querem mesmo construir porto em Arroio do Sal

O deputado federal gaúcho Bibo Nunes apresentou ao governador Eduardo Leite, sexta-feira, o protocolo de intenções que demonstra o interesse de grupos privados russos em investir um total de R$ 3,56 bilhões na construção de um porto em Arroio do Sal, Litoral Norte do RS. O investimento, inicialmente projetado em cerca de 1 bilhão de dólares pelo secretário do Meio Ambiente, Agropecuária e Pesca de Arroio do Sal, Luis Schmidt, pode chegar a US$ 2,8 bilhões. A prefeitura já concedeu viabilidade econômica para o projeto. São necessárias outras liberações. Além dos investidores russos, há investidores brasileiros, como a Doha, com experiência em portos, o Grupo Del Rio, a IG Consultoria e a GS Business. A intenção do grupo, segundo o prefeito Bolão, é instalar a pedra fundamental da obra em março de 2020.